175 anos do nascimento de Dom Vital, um grande pedrafoguense

Em 27 de novembro de 1844, nascia Dom Vital. Antônio, nome de batismo do pedrafoguense, nasceu no sítio Jaqueira, no engenho Aurora. Filho de Antônia e Antônio, o menino, desde cedo, demonstrou vocação para a vida religiosa.

Foi na missão dos frades capuchinhos que Dom Vital decidiu-se pela vida religiosa. Acompanhando frei Serafim de Catanea na missão, o menino começou a estreitar os laços com Deus, com a Igreja Católica.

Na adolescência, ingressou no Seminário de Olinda, depois partiu para a França, onde estudou, foi ordenado Diácono e Sacerdote. Lá também fez seus votos perpétuos e concluiu seu doutorado.

Volta ao Brasil para ensinar no Seminário de Itu, em São Paulo. É indicado a Bispo de Olinda, nega. O Papa Pio IX escreve para Dom Vital convencendo-o a aceitar o bispado. Aceita e toma posse aos 27 anos, um dos mais jovens Bispos a assumir uma Diocese.

Enfrenta problemas na sua missão. Não titubeia, defende a fé. É condenado a prisão por isso. Permanece firme, lutando pelo que acreditava. Após cumprir parte da pena, é solto. Vai à Europa, se encontra com o Papa Pio IX em audiência. Morre aos 33 anos.

Dom Vital foi considerado Servo de Deus pela Igreja Católica e está no processo de beatificação. Frei Jociel Gomes é vice-postulador da causa e acompanha de perto o processo, que está na sua fase conclusiva.

Vários milagres são atribuídos ao religioso. Ele foi fundamental na separação do Estado da Igreja Católica.

Dom Vital foi admirado por diversos Padres, Bispos, Cardeias, dois Papas (Pio IX e Leão XIII). Também por escritores, como Machado de Assis, por juristas e intelectuais. Os fiéis o amavam.

Sem dúvida, Dom Vital é um dos principais pedrafoguenses.


0 Comentários

Deixe o seu comentário!

*

code